sábado, 21 de outubro de 2017

DE ONDE? (2)

E o meu poema parte quase sempre
De um pequeno fragmento
Que se divide e multiplica.
Aí está a origem.

Uma palavra, uma frase, um momento.
Nada mais que isto
Apenas isto.
Daí se desencadeia como em semente
Uma ideia que a mim chega.
Não tão comum, nem tão frequente.

E nesta trança de letras, vai tomando corpo
O corpo do poema
Traz consigo a mais diversa ideia
Contida na incontida gema.


Postar um comentário