segunda-feira, 29 de agosto de 2016

DOCE E AMARGO

Doce e amargo será o dia,
Tendo dia que é mais doce
Fosse assim com alegria,
Todo dia se assim fosse.

Mas o amargo prevalece,
Nestes dias de amargor.
O que era doce fenece,
E o dia perde o sabor.

Então se escolher pudesse,
Entre o sabor que quisesse,
Por certo eu escolheria...
Por água neste limão,
Açúcar no coração,
Você, no meu dia a dia.




sexta-feira, 26 de agosto de 2016

ONDE QUERO ESTAR

Que diabo está acontecendo com o meu Brasil? Estou vendo pessoas saindo do País por insegurança no trabalho, porque definitivamente está faltando trabalho e, por pura insegurança sim, pois não temos Segurança Pública. Nenhuma! Estar na rua é uma roleta russa, serei ou não assaltado? Quem sabe, morto? É assim que está! Hoje, a pessoa que tem sorte é a que não foi assaltada. Bom notar que não existe local específico, o ladrão está se movimentando com agilidade e atualizando seus procedimentos. Diferentemente da nossa polícia que anda com seus armamentos desatualizados, com salários defasados, com número insuficiente de pessoal para poder dar conta da crescente onda de meliantes. O bandido importa (Contrabando) armamento de primeiro mundo enquanto a polícia trabalha com equipamentos de potência bastante inferior.

Assim não dá!

Quando os policiais conseguem tomar estas armas, nossas leis dizem que elas devem ser destruídas. Nunca vou entender a lógica desta atitude. Deve ser o parlamentar bandido, solidário, defendendo o bandido. Só pode! Parece que alguém teve um momento de lucidez e esta lei absurda está revertendo em benefício da polícia.

Tem também o lado da justiça que solta o bandido preso. Policial prende e a justiça solta. Cansamos de ver isto. De fato, estamos cansados disto!

Estamos dentro de um furacão destrutivo que vai arrebentando as bases de tudo que já havíamos conseguido. Estamos vendo de forma assustadora a corrupção, no meio deste furacão medonho, germinando como praga por todas as atividades de governo. A cada nova denúncia que aparece percebemos que não sabemos nada sobre o nível pós-graduado em corrupção que é o que temos hoje no Brasil. Políticos com PhD em safadeza.

Definitivamente, quem pode está deixando este País: Pátria amada Brasil!

A bem da verdade, eu não quero mudar de País, é como disse alguém: “Quero o meu Brasil de volta”.

Só isto!


quarta-feira, 24 de agosto de 2016

A CONVERSA QUE RESOLVE

A palavra é a forma de expressão mais adequada para a maioria dos casos de comunicação, estamos traduzindo os nossos pensamentos de forma a sermos entendidos. Conversar é isto, usar a palavra! Para saudações, dirimir situações, explicar fatos, demonstrar verdades, falar de amor não importa, a palavra permite o contato adequado em todas estas situações e outras tantas. O uso correto depende em grande parte de nossa vontade sim, porque a palavra indevida na hora errada é o punhal que fere e machuca. Pode causar a ferida que não cicatrizará. Assim é a palavra, pode: agradar, abençoar, ensinar, elogiar, enaltecer, bendizer; pode também agredir, ferir, amaldiçoar, corromper e matar.

- Então?

- Então o quê!

Existem momentos em que palavra alguma resolverá uma situação embaraçosa, de tristeza ou de dor. Neste instante entra em cena outra forma de comunicação: a linguagem corporal. É verdade, um gesto tem o poder de um discurso, tem a força amorosa necessária e é profundamente emblemático. Faremos então a conexão necessária para resolvermos sem palavras uma situação onde falar não tem mais espaço, não resolve e, pior, quando não existem palavras adequadas. A expressão corporal, gestual, o movimento dos olhos são elementos que complementam uma comunicação de forma maravilhosa para alterar um cenário catastrófico.

Descobrir este instrumento de interação e usá-lo faz parte das boas pessoas.

Um aperto de mão, um abraço, um beijo na hora certa contêm mais palavras que um discurso.

São autoexplicativos.

São curativos.

São esclarecedores.

Vou mais além, são ferramentas amorosas.

Use!


segunda-feira, 22 de agosto de 2016

PALAVRAS


Estou em busca de palavras para escrever este texto e nada. Pesquisando vejo que o dicionário Houaiss traz 228.000 verbetes e 380 mil palavras no geral e, o Aurélio, 435.000 verbetes e em torno de 500 mil palavras. Fico matutando a respeito e vejo que deve ser incompetência de minha parte. É só abrir o dicionário e pinçar palavras, não é?

Sobram palavras!

A dificuldade está em juntar estas palavras de forma coerente para que fique compreensível. Fundamental, tenho que pensar em um assunto para iniciar o meu trabalho e começar a capturar palavras nas suas classes gramaticais como: substantivo, artigo, adjetivo, numeral, pronome, verbo, advérbio, preposição, conjunção e interjeição. É uma verdadeira caçada! Além disto, repito, colocar cada uma no seu devido lugar.

As convenções da escrita estão inseridas no que conhecemos como ortografia. Foi convencionada entre países da língua portuguesa a forma de grafar as palavras (escrever).

Nós temos 26 letras para confeccionar palavras. Todo dia aparecem novas palavras em função das atividades comerciais, profissionais ou técnicas que acabam sendo usadas na conversa diária e, quando vemos, temos um novo neologismo. Sim, aquela palavra nova. A computação trouxe uma quantidade enorme de exemplos nesta situação. Vejamos um:

*Link - substantivo masculino - elemento de hipermídia formado por um trecho de texto em destaque ou por um elemento gráfico que, ao ser acionado (geralmente mediante um clique de mouse), provoca a exibição de novo hiperdocumento. Hoje é comum ouvirmos uma frase como:

- Vamos lincar a loja da Andressa na mídia de hoje.

Lincar, sem “K”. Estou atualizado! Aí está o neologismo.

A palavra não tem dono assim sendo vou usando e conferindo seu peso e coloração.

Não tenho como reclamar, está tudo disponível para mim.

É só escrever!



*Link - Encontrei a informação de link em: http://nogueiramileni.blogspot.com.br/2014/12/substantivo-masculino-inf-de-hipermidia.html

sábado, 20 de agosto de 2016

ORGULHO DE SER BRASILEIRO

A apresentação da abertura das olimpíadas deixou-me com esta sensação: “Orgulho de ser brasileiro”. Foi uma demonstração de capacidade e organização; de genialidade com simplicidade. Mostramos ao mundo a nossa criatividade com lições sobre a vida e a preocupação com a situação mundial. Mostramos as nossas origens e a origem do mundo de uma forma sensacional.

Se eu fosse citar os personagens nacionais que não foram homenageados neste momento tão importante para os esportes: a olimpíada, poderia elencar um sem número de nomes, mas não é o que é preciso neste instante. Os que foram lembrados representam, de forma quase unânime, o sentimento da maioria do povo brasileiro. Pelé, que seria sentido por todos foi convidado, mas devido a problemas de saúde não conseguiu participar.

Fundamental, neste evento grandioso, é a participação de mais de 200 países, trazendo o melhor do seu melhor para buscar um destaque e apresentar uma superação de força e determinação. Essencial é à base de como tudo isto é possível: o esporte.

Acredito que o Brasil está, aos poucos, evoluindo nas diversas categorias esportivas que preenchem os esportes olímpicos. Temos melhorado. Falta apoio, falta ajuda, faltam equipamentos, mas não falta o espírito esportivo e a garra de muitos dos nossos atletas que, por conta própria buscam atingir um estágio mais alto no ranking. Com medalhas ou sem, nos dão mostras de como é importante participar.

Por isto também sinto um imenso orgulho e, quantas vezes nestes momentos de vitória não sentimos um nó na garganta devido à emoção de ver um (a) brasileiro (a) galgando o podium e ostentando sua medalha com orgulho ao som do nosso hino nacional.

Neste instante vou deixar de lado o investimento de bilhões de reais para que este espetáculo acontecesse em detrimento de escolas, hospitais e outras necessidades mais urgentes do povo brasileiro. Vou deixar de lado a corrupção que aconteceu nos bastidores para os acertos nos orçamentos superfaturados. De lado deixarei a minha raiva por estas razões acima e fico apenas na alegria contagiante deste orgulho momentâneo.

Apenas isto!


quarta-feira, 17 de agosto de 2016

A NOSSA FACE OCULTA

Todos nós temos o lado fantasiado de nossa personalidade. No bruto: o que não somos. Este lado que pode ser sombrio ou não, depende da fantasia que administra este nosso personagem. É a corrupção do que somos em outra pessoa. Alguém pode perguntar:

- E quem não tem este outro lado?

Acredito que ninguém escapa desta alteração de caráter por mais dócil que seja. Crescemos tendo o lado que alimenta estas fantasias em nossa formação. Veja se não é verdade: quando pequenos podemos ser bandidos ou mocinhos no nascedouro destas nossas mudanças. Assim vamos sonhando ser o que não somos e isto acaba sendo sedimentado dentro de nós, de forma agressiva ou não, dependendo da personalidade em formação. O uso adequado poderá ser muito útil nas mais diversas circunstâncias e pode ser fundamental em vários momentos de nossas vidas. No formal, no dia a dia e, muito usado no social. A maioria das pessoas veste uma roupagem diferente, não tem como não ser assim. O que não podemos permitir, ou melhor, não devemos deixar acontecer é o personagem de passagem tomar conta. É quando a fantasia desanda para caminhos obscuros.

Assim, vamos usar a nossa fantasia de Carnaval apenas no Carnaval, fora deste contexto a fantasia fica ridícula.

Vejo que vou continuar com minha face oculta, oculta de todos menos de mim mesmo.


segunda-feira, 15 de agosto de 2016

ESTA PAISAGEM DE TELHADOS

Esta paisagem de telhados
cor de terra,
nesta manhã azul,
entra pela minha retina
alegremente.
Algumas árvores se sobressaem
aos telhados.
São seres estranhos
neste mundo marrom.
Fico estático ante a maravilha
deste mosaico,
e saio de casa com a sensação do barro
e da gênese.


sábado, 13 de agosto de 2016

O CALDO ENTORNOU

Aí, em certo momento você se encontra em uma situação que nunca pensou estar. Parece sem saída. Parece definitiva. Enfim a sensação é de que as coisas ruíram. Nada mais tem sentido.

- O caldo entornou!!!

Quando olhamos mais para nós mesmos deixando o que está ao redor fora desta análise, erramos de forma brutal. Neste momento em que tudo se mostra contrário ao que queremos é que devemos olhar o todo. Quando nos inserimos no todo, ficará fácil verificar que nada é como se desenha nesta circunstância.

Se deixarmos as coisas acontecerem desta maneira, olhando apenas para nós mesmos, vamos entrar em um redemoinho negativo que nos levará de vez a este poço profundo: a depressão. É disto que falo aqui.

Então, para amenizar a situação em que acreditamos que nos inserimos:


- Pare!

Pare de dar valor ao que não tem importância relevante.
Pare de imaginar inimigos.
Pare de encontrar razões onde razões não existem.
Pare de cobrar de quem não tem como pagar.
Pare de sofrer e sentir dor sem ferimentos.
Pare de pensar que os outros estão errados.
Pare de guardar mágoas vencidas pelo tempo.
Pare de perder tempo imaginando o pior.
Pare de fugir dos problemas que são apenas seus.
Pare de se apegar ao passado.
Pare com a competição desastrosa e fútil.
Pare de se explicar tanto.

Apenas, tão somente apenas, viva; um pouquinho para você e, em porção generosa, para o outro. Não teremos tempo para desarranjos mentais.


quinta-feira, 11 de agosto de 2016

POSSO VIVER SEM TUDO

                                                  Para Zô

Posso viver sem tudo,
sem tua presença: - não!
Tudo não te alcança
e não te envolve.
Entretanto,
aceita a rosa púrpura, aceita!
Aceita o jardim onde ela está.
Acomoda nos meus ombros o teu
cansaço
e sonha, amor,
o indescritível sonho que jamais foi teu.
E, bela adormecida, és a própria rosa,
enquanto apaixonado,
este jardim sou eu.


terça-feira, 9 de agosto de 2016

EXERCÍCIO

Não me peça o que não tenho
Não me dê o que não quero
Pois irei franzir o cenho
Poderei sair do sério.

Não sabendo o que dizer
Ficaremos bem calados
Assim pode parecer
Que nós somos ilustrados

Pois quem fala por falar
Vai falando sem pensar
Esgota nossa paciência

Leia um pouco, é importante
Leve a sua vida adiante
Exercite a inteligência


domingo, 7 de agosto de 2016

MANHÃ NA INFÂNCIA

O cheiro do café de manhã é o primeiro acontecimento do dia, enche de alegria qualquer casa. Tenho lembrança de ficar rodando o torrador de café por sobre o fogão de lenha enquanto minha mãe preparava o leite e o pão com manteiga. O barulho dos grãos à medida que rodava o torrador ficou gravado definitivamente. Não era sempre que fazia já que a quantidade de grãos torrados dava para fazer várias coadas de café. Depois, colocava uma quantidade de grão torrados no moedor manual e preparava o café moído. Recordo que minha mãe tinha uma medida que dava a exata quantidade do café que ela prepararia. Algumas vezes, um ou mais grãos travavam a rosca sem fim do moedor e tinha que pedir a minha mãe que destravasse já que minha força não era suficiente naquele momento. Destravado o moedor, continuava o meu trabalho. Enquanto isto a água já estava chegando à fervura em uma grande chaleira. Era muito bom este momento, pois a friagem da manhã era espantada pelo calor da lenha que queimando estalava dentro do fogão enquanto aquecia toda a cozinha. Nesta época não tomava o café puro, apenas no leite; mas o cheiro do café, aquele cheiro, era tudo. Neste período da minha vida, meus seis anos eram capazes de torrar o café e moê-los. Havia um pequeno banco sobre o qual me instalava para poder fazer estas atividades já que o fogão e o moedor ficavam acima da minha pequena estatura. Hoje, seria um absurdo uma criança de seis anos próxima de um fogão.

- Já pensou?

Graças a Deus não era proibida esta atividade e consigo falar sobre esta doce lembrança.


sexta-feira, 5 de agosto de 2016

RUA ANTIGA

Na rua da qual falava,
Nesta lembrança fugaz,
Tinha uma enorme figueira
Que hoje não existe mais.

Naquela figueira enorme
João-de-barro fez morada.
Não vejo mais passarinhos
Nem joão-de-barro nem nada.

Hoje a rua é muito quieta
Serve apenas ao poeta
Como um triste recordar

Construir outra poesia
Sobre esta rua vazia
Que um dia foi seu lugar


quarta-feira, 3 de agosto de 2016

QUANDO SABEMOS QUEM SOMOS

A prepotência se instala quando perdemos o senso do direito e do correto. Um pequeno cargo e, pronto, a prepotência aparece no cidadão que era cortês e polido. Sabe-se lá o que acontece na cabeça de algumas pessoas, para mudarem de forma tão radical a sua postura quando elevadas a cargos onde a posição assumida lhes dá a sensação (presunção) de poder. Deve ser resultado de problemas pessoais mal resolvidos.

É isto! Este cidadão ainda não sabe quem é, não se posicionou na vida.

Em qualquer situação de mando ou superioridade tenho profunda admiração por aquele que consegue ser humilde sem perder a posição. Educado mas enérgico. Enquanto planeja, organiza, comanda, coordena tem como foco passar o conhecimento para ter uma equipe atuante e produtiva. Quem é competente não tem porque ter medo de passar o conhecimento. Sabe quem é.

É verdade que existem líderes diferenciados dentro de uma empresa. Observamos que um chefe dentro de uma organização está ali por direito, por tempo de serviço, mas é comum termos um funcionário que tem a liderança de fato, pois tem a influência necessária para mudar a opinião e comportamento de todos. O chefe inteligente vai usar este funcionário a seu favor por outro lado, o prepotente possivelmente vai demiti-lo.

Estes dois líderes pelo exemplo, jamais serão prepotentes ou arrogantes, sabem que são.

É assim, quem sabe o que é se posiciona de acordo.



segunda-feira, 1 de agosto de 2016

DESCOBRINDO

E esta vida vai passando
Nos caminhos percorridos
Corro um pouco depois ando
Com meus pés tão doloridos

Afinal pra onde vou
Se não sei de onde vim
Se não sei quem é que sou
E o que a vida quer de mim

Da minha vida não sei
Acredito que a razão
Razão porque tanto andei

Foi que a estrada percorrida
É a perfeita descrição
Do que quero para a vida.