sexta-feira, 16 de dezembro de 2016

QUANDO NEM TUDO ESTÁ PERDIDO

Eu te espero em mais um dia que se finda,
em mais um por do sol do náufrago amante
e na mistura de cores deste céu errante
prevejo mil amores e te espero ainda.

E nesta longa espera, sozinho, amargurado,
sinto o frio destas noites frias
que não são noites pois, sempre acordado,
não vejo noites, senão outros dias.



Postar um comentário