terça-feira, 20 de dezembro de 2016

É TUDO TÃO DOLORIDO

Seu rosto pálido
num corpo fúnebre
vai no cortejo
ser carregado.

E dou adeus
com olhos úmidos
que são meus olhos
quando tristonhos

E pego a alça
do seu caixão
e, solidário
vou carregando.

Pela alameda
e pelas ruas
chora uma irmã
onde eram duas.


Postar um comentário